Notícias

ATAQUES CONTRA INTERNET DAS COISAS DOBRARAM NO 1º SEMESTRE DE 2021

https://www.upchip.com.br

A Internet das Coisas segue sendo um vetor dos mais populares entre os cibercriminosos, com os ataques, normalmente associados à negação de serviço, também servindo para o roubo de credenciais e mineração de criptomoedas. Prova disso é que, no primeiro semestre de 2021, o total de golpes desse tipo dobrou, chegando a 1,5 bilhões de ocorrências registradas.

No ranking divulgado pela Kaspersky, empresa especializada em cibersegurança, o Brasil aparece como um dos países mais atingidos da América Latina, com 40,7 milhões de incidentes registrados, ficando atrás apenas do Panamá, com 81,6 milhões. A lista de nosso território é completada pela Argentina, na terceira colocação e 5,6 milhões de ocorrências.

Os números nacionais são consideráveis quando se considera que o total do primeiro semestre de 2021 equivale a um crescimento de impressionantes 2.200% em relação ao mesmo período do ano passado e de 1.520% na comparação com o intervalo entre julho e dezembro de 2020. O total brasileiro também posiciona o nosso país entre os mais atingidos internacionalmente; o “campeão” é a China, com 456 milhões de ataques, seguida da Rússia (168 milhões) e EUA (73 milhões).

Tais crescimentos exponenciais também acompanham o aumento no uso de dispositivos da Internet das Coisas. De acordo com o levantamento, em 2020, eram 8,47 milhões, um total que pode chegar a 244 milhões em 2030. “Grupos cibercriminosos adotam novas tecnologias de forma muito rápida e elas são incorporadas como parte de suas operações”, explica Roberto Martinez, pesquisador sênior de segurança da Kaspersky. Ele cita, também, a disseminação em grande escala de pragas como uma espécie de automatização do setor, permitindo que dezenas de milhares de aparelhos vulneráveis sejam colocados, de uma vez, à mercê dos atacantes.

Digitalização e perigo

“O crescimento exponencial aumenta o risco, pois existem mais aparelhos para serem atacados e novas utilizações de dispositivos comprometidos”, completa o especialista. Na visão dele, a mineração de criptomoedas usando estas redes de dispositivos pode ser uma tendência, ainda que eles apresentem baixo poder de processamento, enquanto a presença de aparelhos comprometidos nas redes também pode servir de vetor para o roubo de dados.

Martinez associa esse aspecto à digitalização cada vez maior de governos e empresas, com documentos pessoais, dados bancários e demais informações estando disponíveis de forma conectada. Ele aponta, por exemplo, o foco cada vez maior de cibercriminosos em soluções biométricas, que podem não representar uma barreira absoluta do ponto de vista da proteção de sistemas.

Para evitar problemas, o ideal é que os investimentos em sistemas de defesa e mitigação acompanhem medidas de educação. Isso vale, inclusive, para colaboradores que não estejam envolvidos em tarefas de cibersegurança e, também, usuários comuns, já que a noção atual é de que qualquer indivíduo pode ser um alvo.

Fonte: CanalTech